Passistas de Pernambuco agitam o II Festival de Folclore de Soledade

A mistura de técnica, entusiasmo e tradição empolgou o público soledadense
Nem o frio tirou o entusiasmo e alegria dos passistas. (Foto: Fernando Lima / ClicSoledade)
Nem o frio tirou o entusiasmo e alegria dos passistas. (Foto: Fernando Lima / ClicSoledade)

Da junção da capoeira com o ritmo do frevo nasceu o passo, a dança do frevo. Quem não conhecia a dança ficou encantado com o espetáculo da Escola do Frevo de Recife durante a programação do Festival em Soledade. O grupo que se apresentou na tarde e na noite desta sexta-feira (23) e no sábado (24) se assustou com as temperaturas baixas, mas nem o frio pode pará-los. “Não importa o frio, queremos que a nossa dança deixe o público com quarenta graus de emoção”, disse Ana Miranda, coordenadora do grupo.

Neste ensejo participaram onze bailarinos, porém, segundo Ana, a Escola de Frevo do Recife tem mais de 500 alunos. Ao falar da dança, a Coordenadora deixa claro a diferença com quem canta frevo. “Quem dança é passista, quem canta é frevista. Aqui em Soledade apresentamos o frevo de rua e o frevo canção, que são bem mais agitados, esperamos que todos tenham gostado e sentido a alegria do nosso povo e a importância do frevo”, comentou.

Sobre a organização do Festival, o grupo se mostrou satisfeito com o cuidado e a recepção. “Percebemos que estão fazendo de tudo para que nos sintamos a vontade, estão dando o melhor de si, estamos imensamente felizes pelo cuidado com que nos receberam”, avaliou Ana.

“Festa. Felicidade. Folia. Alegria. Escute e sinta. Isto é o frevo”, diz Ana ao deixar uma mensagem ao público soledadense.



Parceiros da Cobertura

  • Client Logo
  • Client Logo
  • Client Logo
  • Client Logo
  • Client Logo
  • Client Logo
  • Client Logo